Literatura

Que monstro o quê
Publicado em 16/02/2012 pelo site da Revista LamaArte: Francisco Gusso
Texto: Fabiano Vianna


Notícia de carnaval:
Matou a guria e foi pro Passeio Público.
Camuflou-se entre os arbustos, dias virando musgo, comendo ração de pelicano e pedaços de fotografias lambe-lambe.
Não era monstro nada, disse o frade.
Tadinha da garota Nike que treinava corrida distraída com fone no ouvido.
O da Bicicletada também se assustou.
Carlos Machado, Jaques Brand...
“Achei até que fosse um bicho”.
O delegado Tavares com gravata de café.
Ventilador desligado, em Curitiba não tem muito uso.
“Não fui eu que matei não senhor. Minha mão que foi guiada”
O capuchinho das Mercês com o terço e o livro em mãos.
Saiu no jornal que o monstro do pântano vagava pelo parque à noite.
Walking Mud: está até no Youtube.
Pensei que o lodo tinha finalmente vindo à tona.
E o sujeitinho se entregou, arrependido.
“Que desgraceira, minha vida até que era boa”.
Foi lá e desenterrou a faquinha com sangue no pé do plátano.
“O corpo joguei no Rio Belém”.
.

2 comentários:

Fabiano Vianna disse...

Que blog genial man! Honrado em fazer parte.

Oficina disse...

Bem vindo Fabiano, navegue o Belém conosco por aqui. Abraço, Gabriel

Postar um comentário